16/12/11
Investidores dizem que mercado brasileiro é de grande potencial
Pedro Grossi
giftTradição norte-americana, os gift cards (vale-presentes) começam a ganhar espaço no mercado brasileiro. Por ano, a prática movimenta cerca de US$ 80 bilhões nos Estados Unidos (mais de um terço desse valor apenas no Natal), mas, no Brasil, esse mercado é tão pequeno que é impossível mensurar. “O faturamento ainda é pequeno, mas o potencial é muito grande”, diz o empresário Sérgio Oliveira.
A aposta do investidor é aproveitar a cultura recém adquirida pelo consumidor brasileiro de aproveitar ofertas em sites de compras coletivas com um modelo que já é sucesso em outros países. “Nos Estados Unidos, há décadas que as pessoas adotaram a prática de presentear com vale-presentes”, conta Sérgio. Ele lançou em Belo Horizonte o Valegift, um site que oferece ofertas de presentes variados. Pode ser um jantar, um dia em uma clínica de estética ou até um passeio de balão. As ofertas ficam no ar por meses e o presenteado escolhe qual opção agrada mais. “Essa é a diferença básica para um site de compras coletivas. Não é uma compra por impulso com um grande desconto. É uma opção de presente alternativo”, explica.
O site, lançado em Belo Horizonte na semana passada, deve começar a funcionar em breve no Rio de Janeiro e em São Paulo. A expectativa é que até o fim do próximo ano ele opere também em Porto Alegre, Curitiba, Florianópolis, Goiânia, Cuiabá e Campo Grande. Segundo os sócios, o investimento, de cerca de R$ 1,2 milhão, deve começar a dar retorno em três ou quatro anos. A projeção é que em 2012 sejam 50 mil vales-presente comercializados, no valor de R$ 7 milhões.
A iniciativa é pioneira no país, mas já existem projetos semelhantes sendo desenvolvidos em outras praças. “Acho que é um modelo mais sustentável que o de compras coletivas, mas não acredito que haverá um boom de empresas, pois é um serviço mais segmentado”, especula Sérgio.

Prática demanda cuidados


Segundo a consultora em etiqueta pessoal Agni Melo, a prática de entregar um vale-presente demanda certo cuidado. “O agrado perde o sentido quando é para uma pessoa próxima, que recebe apenas um vale-compra. Demonstra falta de consideração e de cuidado de quem está presenteando”, afirma. Segundo ela, o gesto de presentear tem valor quando a pessoa demonstra “ter apreendido alguns aspectos da personalidade do outro ao ponto de saber o que lhe agrada”.
Segundo a consultora, no entanto, o modelo que começa a ganhar corpo no Brasil, de vales que dão direito a passeios ou jantares, podem ser uma boa opção. “É diferente de dar um vale-compra de uma loja de departamento. Aí, há delicadeza”, diz. (PG)

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.